The Airgun from Trigger to Muzzle - Tradução Parte II

The Airgun from Trigger to Muzzle - Tradução Parte II

Mensagempor Mandarim » 26/06/2014 - 20:49:54

Imagem
“It is a surprising thing that very often a subjet that appears on first sight to be so simple, often, on further study, turns out to be very complicated. This statement is exceptionally true when applied to the spring air weapon, as we found out when we first began to investigate the subject some five years ago.”

“É uma coisa surpreendente que muitas vezes um assunto que à primeira vista parece ser tão simples, às vezes, em um estudo mais aprofundado, acaba por ser muito complicado. Esta afirmação é excepcionalmente verdadeira quando aplicada às armas de ar de ação por mola, como descobrimos quando começamos a investigar pela primeira vez este assunto há cerca de cinco anos atrás.”

G. V. Cardew


Links para download do original em inglês

http://www.4shared.com/office/QkW-iwszba/The_Air_Gun_From_Trigger_To_Mu.html

http://www.mediafire.com/download/5mcemcyutrm/The+Air+Gun+From+Trigger+To+Muzzle_s.pdf

Nota: é importante destacar que este livro se concentra no estudo de um rifle de ar comprimido de ação por mola, típico dos anos 70 e com bucha de couro.

Nota do tradutor: alguns termos e frases empregadas no livro foram traduzidos, sempre buscando preservar o trabalho original, o que pode gerar dúvidas ao leitor quanto a tradução correta. Neste caso, peço que compare o parágrafo original no idioma inglês e se puder me envie por MP, uma redação segundo o seu entendimento da tradução do parágrafo e não o seu entendimento técnico sobre o assunto. ***


Sumário

Parte I -> viewtopic.php?f=4&t=16124&p=172049#p172049

Capítulo 1 - Introdução e Sequenciamento

Capítulo 2 - A Mola Helicoidal

Capítulo 3 - O Pistão (Êmbolo)

Capítulo 4 - O Ar


Parte II

Capítulo 5 - A Porta de Transferência (“Transfer Port”)

Capítulo 6 - O cano

Capítulo 7 - O Recuo

Capítulo 8 - O Lubrificante


Parte III -> viewtopic.php?f=4&t=16281

Capítulo 9 - Eficiência

Capítulo 10 - Cronógrafos


Capítulo 5 - a porta de transferência (Transfer Port – TP)

A porta de transferência (“Transfer Port” – TP) é um furo de dimensões reduzidas, porém extremamente importante, que comunica o interior da câmara de pressão do cilindro, com o furo do cano. Esta passagem ao longo dos anos sofreu muitas mudanças de projeto, sendo construída em uma grande variedade de tamanhos e em ângulos para melhor se adaptar ao projeto da arma.

Ao pesquisar sobre este tema específico no rifle de ar, existem três principais variáveis a serem consideradas:

(1) O diâmetro do orifício
(2) O comprimento do orifício
(3) A forma do orifício

Antes de discutir estes pontos, vamos primeiro considerar exatamente o que acontece quando o ar passa através desta passagem. Quando o pistão cria uma pressão na frente dele, isso, obviamente, também aumenta atrás do projétil devido a existência do TP. No momento do pico de pressão no cilindro, o projétil então, deixa o seu alojamento e acelera se for um projétil bem ajustado. Imediatamente, atrás de si a pressão começa a cair, e o ar pressurizado contido no cilindro passa do TP para equilibrar a pressão o que cria um fluxo de ar a partir do cilindro em direção ao cano. Esta diferença de pressão deve ser mantida para preservar o fluxo de ar. Mas para manter a aceleração do projétil, o fluxo de ar deve aumentar necessariamente, e este só pode ser obtido devido a um aumento contínuo da diferença de pressão entre a zona imediatamente por trás da saia do projétil e no interior do cilindro.

Quando a pressão do TP do lado do cano cai para cerca de metade da pressão que ocorre no interior do cilindro, chega-se a uma condição conhecida como "fluxo crítico". Neste ponto, o fluxo de ar através do TP atinge uma velocidade constante, e não pode ser aumentada sem aumentar a pressão dentro do cilindro. Mas a pressão no cilindro já está a diminuir devido ao movimento de recuo do êmbolo e o movimento do projétil em direção à boca do cano, o que implica que o projétil já não pode receber uma maior aceleração. No entanto, este pode ser deslocado a uma velocidade constante, porque mesmo que já não seja possível aumentar o fluxo de ar, não significa que este tenha que necessariamente diminuir.

A única maneira de melhorar a velocidade do fluxo é aumentar o pico de pressão no cilindro ou, para manter a pressão existente por um mais longo de tempo, manter o êmbolo na sua posição avançada mais próxima do fim de curso. Já foram descritos os esforços feitos nesse sentido, mas é claro que isto é "mais fácil de dizer do que fazer”.

No momento em que o fluxo crítico é atingido, ondas de choque são formadas ao longo do TP; porque, sob estas condições, a velocidade do fluxo de ar é igual à do som devido à pressão e temperatura dentro do TP. O efeito, destas ondas de choque será discutido no capítulo sobre o desempenho. No entanto, neste momento, é suficiente estar ciente da sua ocorrência no TP.

Pelo exposto, deve ficar claro que é fundamental que a restrição seja a menor possível para diminuir o fluxo de ar, de modo que o projétil obtenha a máxima aceleração possível antes de ser atingids a condição de fluxo crítico.

Vamos agora discutir os três pontos mencionados anteriormente, uma vez que o fluxo de ar máximo depende do projeto do TP.

O diâmetro do TP é, obviamente, um tanto dependente do calibre da arma. Se o diâmetro fosse maior do que o calibre, haveria o perigo do projétil cair dentro do cilindro no processo de fechamento do cano. Para determinar o diâmetro mais eficiente do TP para a nossa arma particular, adotamos um sistema de tentativa e erro. Isto envolveu uma operação de usinagem drástica do “Transfer Port” original até um diâmetro de cerca de 3/8 de polegada (9,525mm). Em seguida, usamos uma série de TP intercambiáveis idênticos entre si, exceto em seus diâmetros usinados em tamanhos individuais, que variam de 1/16 de polegada (1,5875mm) até 11/64 de polegada (4,365mm). A carabina escolhida para todos estes experimentos foi do tipo cano basculante sendo possível a utilização de um anel "O-ring" para selar a culatra e manter o “falso” TP na posição correta.

Com este sistema conseguimos experimentar o tamanho de cada TP tantas vezes como necessário, garantindo todos os testes em condições semelhantes. A tabela seguinte lista os diâmetros de TP em conjunto com a velocidade média do projétil obtida para cada diâmetro. O calibre utilizado foi de 0,22 polegadas (5,5 mm).

Imagem

A partir destes resultados fica claro que o diâmetro ótimo do TP, neste caso, é de cerca de 1/8 polegadas (3,175mm). Para ambos os diâmetros adjacentes a ele na tabela, a velocidade torna-se imediatamente inferior. Para os diâmetros inferiores este comportamento é facilmente compreensível, uma vez que um buraco menor oferece muito mais resistência do que um maior que permitem uma maior vazão do fluxo de ar. A razão para a queda de velocidade quando se utiliza um TP de diâmetro superior a 1/8 de polegada é menos facilmente compreendido. É provável que deste valor ótimo de diâmetro, uma quantidade inaceitável de "volume morto" seja produzido, o que resulta numa diminuição na pressão final, e, por conseguinte, uma redução na força de aceleração que atua atrás do projétil.

“Volume morto” é um termo que usamos para descrever o volume de ar contido no TP outros buracos ou recessos na cabeça do pistão. Tomando um caso extremo, para ilustrar este ponto, suponhamos que o volume morto resulte em uma fração significativa do volume total do espaço comprimido pelo êmbolo. Nesta situação, o êmbolo, pode acelerar e simplesmente “colidir” com o final do cilindro, uma vez que não haveria um acúmulo de pressão suficiente para freá-lo antes do impacto. Também, esta pressão pode não ser alta o suficiente para vencer o atrito do projétil no cano e dar início ao seu movimento. Note que diâmetro máximo testado foi de 11/64 de polegada, isto porque um aumento adicional resultou em “colisão” do pistão com a extremidade do cilindro.

O comprimento do TP é muito mais difícil de modificar ou de experimentar, mas é óbvio que quanto mais curto for, melhor é, uma vez que será menor o “volume morto”. Também ocorre uma menor resistência ao fluxo de ar, devido ao menor atrito da passagem do ar pelas paredes do TP.

O ar, como qualquer outro fluido, possui viscosidade. A viscosidade é a propriedade que um fluido, possui de oferecer resistência ao seu escoamento (fluxo). Compare melaço que escorrendo de uma lata com o fluxo de água a partir de um balde de cabeça para baixo. O ar é claro, naturalmente não tão vicioso como água, à temperatura e pressão normais. Mas ele obedece às mesmas leis que regem o escoamento de fluidos, e a sua viscosidade aumenta com o aumento de pressão. Uma vez que, em princípiol, estamos lidando com altas pressões, as perdas de energia devido a este fenômeno pode ser significativo.

A fim de obter uma idéia prática do que acontece no TP, é útil imaginar o ar como se fosse um líquido. Com este pensamento em mente, não é difícil se lembrar de como o fluxo de uma correnteza é prejudicado ao longo de um leito rochoso. As pedras afiadas formar ondas e redemoinhos que restringem a passagem suave da água. De uma maneira semelhante, a maior parte das carabinas que analisamos tem uma aresta afiada na entrada do TP, uma vez que é simplesmente um furo perfurado por broca. Agora não há nada melhor do que uma curva fechada (ângulo agudo) para perturbar o fluxo de um fluido e causar redemoinhos, restringindo no nosso caso o fluxo de ar. Na verdade, seria correto dizer que uma curva fechada é o oposto de racionalização. A existência desta borda é, portanto, um elemento-chave do sistema, onde é provável que ocorra perda de energia.

Mais uma vez, a experiência prática foi o único método disponível a nós para investigar as perdas de energia no TP. Pegamos um dos falsos TP e usinamos a entrada em forma de boca de sino. Isto aumentou imediatamente a velocidade da arma experimental em 7 fps (2,13 m/s). Outras armas que foram modificadas desta maneira e produziram um melhor resultado do que esta, o que prova que a forma e o tamanho do TP é individual para cada arma.

Então, qual é melhor formato do TP? Bem, muitas vezes o projetista de uma arma de ar de ação por mola fica "entre o diabo e o profundo mar azul" nesta área. O que é necessário é o comprimento do TP o mais curto possível, com o diâmetro com uma boa captação (“lead-in”) do ar, e, uma superfície bem polida por toda extensão. Infelizmente, no entanto, nem sempre é possível, para o TP ser curto, sem perder a resistência física, nesta área, em especial nos modelos de cano basculante. A produção de uma boca de sino na extremidade de entrada da porta é um refinamento que não é encontrado frequentemente em carabinas produzidas em escala industrial. Do ponto de vista puramente teórico, o melhor formato para um TP seria uma boca de sino na entrada seguido de um venturi que se contrai no centro até um diâmetro ligeiramente menor do que o calibre da arma; em seguida, abre-se de novo para um diâmetro que correspondente com a boca de entrada para o furo do cano. No entanto, depois tanto esforço para contruir tal dispositivo, ficamos decepcionados ao descobrir que as vantagens eram praticamente insignificantes.

Alguns modelos de carabinas de ar de cano basculante são equipados com uma anilha de vedação da culatra colocada em uma cavidade formada na extremidade do TP. Existe o perigo de que certa quantidade de energia seja perdida neste ponto, uma vez que é pouco provável que o fluxo de ar continue a ser uniforme, durante a passagem nesta junta. O diâmetro do orifício da junta é geralmente mais ou menos o diâmetro do furo do TP.

Um renomado fabricante, possui um modelo de carabina de alto desempenho tipo Tap Loader (conhecido como carregador de torneira) com carga de uma só vez onde há uma extremidade em forma de funil para o cilindro, dando um fluxo aerodinâmico do ar a partir do cilindro para o cano. O êmbolo possui uma extremidade em forma de cone de forma a coincidir com o ângulo do túnel. Outra grande vantagem deste sistema é que o TP torna-se extremamente curto, uma vez que a esfera de ligação (tampa) foi posicionada diretamente na extremidade do funil (o ápice do túnel). O cerne do projeto foi o de minimizar as perdas nesta área. Infelizmente, só se pode presumir, se os custos de fabricação foram compensados pelo aumento da velocidade do projétil.

NOTA: Uma carabina Tap Loader (Figura 5.1) é um rifle em que você carrega o projétil através do sistema conhecido como "carregador de torneira." É constituída por um cilindro perfurado posicionado imediatamente antes da culatra, que gira a 90 graus em relação ao eixo horizontal do cano. O buraco é a sede do projétil; atuando sobre uma alavanca solidária ao cilindro, em uma rotação de cilindro de 90 graus, até que o furo do cilindro fique em alinhamento com o furo da carcaça da arma. Neste ponto, você coloca o projétil no buraco superior, com a cabeça virada para baixo, assim como você faria em um cano basculante. Em seguida, gira a alavanca em sentido contrário, o que faz rodar o cilindro de modo a alinhar o projétil com o cano, por um lado, e a porta de transferência (TP) do outro lado.

Imagem
Figura 5.1 Carabina Tap Loader

Normalmente não há anéis de vedação (“O-rings”) de modo que o cilindro deve ter montagem muito precisa (geralmente cônica). É uma tecnologia antiga em voga, pelo menos, 100 anos atrás. Alguns modelos de armas antigas foram equipados com um sistema Tap Loader que é aberto automaticamente quando a alavanca de armar (tipicamente cano fixo “underlever”) atinge o seu final de curso.

O termo "tap" significa literalmente "torneira". Na figura 5.2 você pode ver o cilindro de carregamento do projétil removido.

Imagem
Figura 5.2 Cilindro do Tap Loader removido


Nota do tradutor: a título de informação, a carabina chinesa BAM XS B19-14 calibre 4,5mm / .177 tem as seguintes medidas no Transfer Port:

- comprimento de 16,6mm

- diâmetro de 3,20mm




Capítulo 6 - O Cano

Quando falamos do cano de uma arma de ar, nos referimos a todo o tubo que estende para trás da boca do cano até a culatra no ponto onde o projétil está assentado pronto para ser disparado. Embora possa parecer desnecessário fazer uma definição tão óbvia, o fizemos para deixar bem claro que nós incluímos a seção do furo que detém o projétil antes de ser "disparado". É, na verdade, esta pequena seção que ajuda a determinar a consistência da arma, mas isso será discutido mais tarde; vamos primeiro dar uma olhada no tema polêmico que é o comprimento do cano.

Nós solucionamos uma grande quantidade de problemas sobre o estudo de comprimento do cano, assim que percebemos que a maior parte da teoria atual sobre armas de ar era derivada de princípios aplicados às armas de fogo. Esta comparação é completamente desprovida de cunho científico, bem como qualquer outra comparação entre armas de fogo e armas de ar, no estudo de balística interna. No caso da arma de fogo, o projétil é acelerado ao longo de todo o comprimento do cano. Isto é conseguido através da otimização do projeto e escolha do elemento propulsor usado no cartucho que foi cuidadosamente feito para queimar-se durante todo o tempo em que o projétil permanece no cano. Desta forma, os gases produzidos pela combustão da carga de propelente são capazes de manter uma pressão constante na base do projétil fornecendo uma quantidade enorme de energia. Infelizmente, a arma de ar é severamente deficiente nesse ponto uma vez que existe apenas uma quantidade muito limitada de energia para acelerar o projétil e que é praticamente toda transmitida ao projétil nas primeiras cinco polegadas (127mm) ou pouco mais do cano. Depois desta distância, o projétil nem perde e tampouco ganha velocidade até que percorrida uma distância de cerca de seja coberta por mais de vinte e cinco polegadas (645mm) ou pouco mais, após o que, começa a desacelerar-se devido ao atrito com a parede do cano e também por conta da resistência do volume de ar que está a sua frente.

A partir disso, fica claro que uma arma de ar com um cano longo não é mais potente do que uma idêntica com um cano mais curto.

Esta afirmação baseia-se no gráfico da Figura 6.1, que mostra a aceleração de um projétil calibre . 22 (5,5mm) através do canol. A partir deste gráfico pode-se observar que o projétil é acelerado durante as primeiras cinco polegadas centímetros de seu curso, enquanto que o restante do percurso é realizado a uma velocidade constante.

Imagem
Figura 6.1 Aceleração de bala calibre 5,5 milímetros

A razão para isto é que a velocidade constante é devido ao fluxo de ar crítico que surgiu através do TP, devido à pressão reduzida no interior do cilindro. Este fluxo crítico como já mencionado no capítulo anterior, significa que o ar agora só pode fluir em determinada velocidade, por isso o projétil é apenas transportado em uma velocidade constante e não acelerado.

O gráfico na Figura 6.1 foi obtido mediante a utilização do cano de aparência estranha mostrado na parte inferior da figura 6.2. Ele tinha furos em sua parede em intervalos de uma polegada (2,54mm) ao longo de toda sua extensão, em cada um desses pequenos orifícios foi introduzida uma bucha de material isolante, e em cada uma dessas buchass, foi aparafusado um parafuso de dimensões reduzidas, mas de medida precisa, de modo que a sua ponta permanecesse perfeitamente alinhada com o núcleo interior do cano. Com este estranho dispositivo, foi possível estabelecer a posição do projétil, ao longo do cano durante a sua passagem, uma vez que, um contato elétrico fica estabelecido entre o parafuso eletricamente isolado pela bucha e a passagem do projétil pelas paredes dalma do cano. Acoplando-se este dispositivo com o nosso cronógrafo eletrônico, foi possível estabelecer o tempo necessário para o projétil percorrer as várias seções do cano. Esta peça experimental do equipamento pode ser acoplada até qualquer número de seções do cano prolongável mostrado no topo da figura 6.2. Por este processo, pudemos estudar canos de até cinco pés (152,4cm) de comprimento. Nesse comprimento, ocorreu uma queda na velocidade, embora mínima; mas a experiência foi bem interessante, uma vez que provrou sem dúvida que um cano longo não é a chave para a alta velocidade.

Pode ser útil, neste momento, tecer algumas palavras sobre outros tipos de armas de ar comprimido, como armas pneumáticas e também de CO2 que utilizam um gás pré-comprimido, armazenado em um tanque, para acelerar o projétil. Embora não tenhamos feito um estudo detalhado de tais armas, parece ser bastante claro que elas se enquadram em uma classe própria, no que diz respeito à balística interna. Elas não podem ser enquadradas como armas de fogo, uma vez que inexiste um processo de combustão para fornecer energia. O único impulso é dado ao projétil é devido a expansão do gás através da válvula quando você aperta o gatilho. Normalmente, a cada abertura da válvula é a passagem de um grande volume de gás, de modo que o cano longo é uma vantagem, porque dá mais tempo para o gás se expandir e transferir a sua energia ao projétil. Provavelmente, parte do CO2 que passa através da válvula está ainda no estado líquido, e, portanto, necessita de calor, a fim de se converter em um gás e expandir. O calor pode ser coletado somente através das paredes do cano e, portanto, quanto maior for o cano, dentro de um limite razoável, mais eficiente será a conversão da energia contida no gás para impulsionar o projétil.

Agora, as armas que são acionadas por gás comprimido não podem ser enquadradas com armas de acionamento por mola. A arma de mola é um caso único, que depende do projétil ter um ajuste sem folgas na culatra de modo a desenvolver uma pressão atrás de si. Esta capacidade de um projétil permanecer colado às paredes do cano, enquanto o êmbolo produz um aumento de pressã e em seguida, iniciar o movimento no momento crítico correto é provavelmente fator mais importante para o bom desempenho de uma espingarda de mola. Qualquer um que já tenha possuído uma arma de ar terá sido aconselhado a tentar "isto" ou "aquilo", usar uma determinada marca de “chumbinho”, porque eles funcionaram tão bem em tal carabina. A razão para experimentar diferentes tipos de projéteis é encontrar um adequado, para este cano especial, que inicie o seu movimento no momento de maior pressão.

Uma vez que percebemos a importância deste ponto, começamos a investigá-lo através de experimentos mais detalhados. Em primeiro lugar, verificamos o que chamamos de “pressão estática" necessária para iniciar o movimento do projétil pelo cano, através de vários formatos de culatra. Nós emendamos segmentos curtos de cano a uma bomba de óleo de operação manual de modo a poder aumentar gradualmente a pressão atrás do projétil, enquanto que ao mesmo tempo, observamos o aumento da pressão através de um manômetro. À medida que a pressão atingiu o ponto no qual o projétil iniciou seu movimento ao longo do cano, o manômetro acusou uma queda de pressão, porém a pressão máxima obtida em cada caso pode ser observada.

Imagem
Figura 6.2 Canos experimentais

Cada uma das seções de cano tinha uma culatra usinada com formato diferente, por isso não foi difícil comparar as pressões estáticas de liberação do projétil (máxima pressão observada antes da ocorrência da queda de pressão) para os vários tipos de culatra, utilizando-se projéteis padronizados. Também foi possível investigar as pressões alcançadas por projéteis com a saia estufada e também com saia amassada. Depois de verificar esse fator, cada cano foi, então, montado na arma experimental e seu desempenho medido com o cronógrafo. No entanto, deve-se enfatizar que esta é apenas a pressão estática experimental, e que este teste hidráulico é feito a uma escala de eventos muito mais lenta do que o que realmente ocorre no interior da arma. A pressão real (dinâmica) de partida do projétil, é cerca de três vezes o valor medido por nós.

Os resultados obtidos, na média de 20 tiros, estão listados abaixo:

Imagem

É evidente a partir destes resultados que a pressão estática maior de 444 psi foi também a que produziu a velocidade máxima, e que isso foi conseguido por uma culatra com um chanfro levemente arredondado e polido na culatra. Isto é ilustrado na Fig. 6.3.

Imagem
Figura 6.3 O projétil na culatra

É, possível ocorrer uma situação em que o projétil entra muito apertado na culatra, na qual ele começa a se mover apenas depois de atingir a pressão máxima, quando a pressão no cilindro já diminuiu, resultando em uma velocidade inicial mais baixa. Este fato pode ser comprovado expandindo-se as saias de alguns projéteis além de dimensões razoáveis, em seguida, verificando-se as suas velocidades.

Agora, a razão pela qual uma culatra em ângulo reto produz uma baixa pressão e, portanto, uma baixa velocidade é porque, em vez de acomodar a saia do projétil, um anel de chumbo da saia é cortado, esta “amputação” da saia, obviamente, exige menos força do que a acomodação da saia para dentro do furo.

Conclui-se a partir destas experiências que, no momento do disparo, a saia do projétil deve primeiro aderir a borda do furo do cano (culatra), em seguida, como a pressão por detrás se eleva, a saia é retraída até que se torne com as mesmas dimensões que a alma do cano, Neste ponto o projétil inicia o seu movimento e é acelerado dentro do cano com a pressão máxima por trás dele.

Uma vantagem adicional advém do formato correto da culatra; a velocidade final é muito mais consistente. Encontramos uma variação de 2% em um determinado número de tiros, usando a culatra com o formato correto, enquanto os outros formatos mostraram uma variação de 6%. Obviamente esta pode ser considerada uma melhoria substancial. É provável que esta variação de 2% seja devido a diferenças entre os projéteis.

A vantagem de se gastar um pouco de tempo experimentando diferentes marcas de projéteis pode ser vista através da fotografia de dois projéteis (Figura 6.4), a qual o mostra o resultado da passagem de dois projéteis idênticos através de canos diferentes.

Imagem
Figura 6.4

O projétil da esquerda mostra estrias profundamente impressas na cabeça, enaquanto que a saia entrou tão apertada no furo, que material (“chumbo”) foi retirado (" dragged backwards" - arrastado para trás) - claramente um caso de se ter que usar um projétil de diâmetro ligeiramente menor.

Agora, o outro à direita da ilustração traz leves estrias em sua cabeça, mas uma saia bem marcada. Este projétil teve um bom ajuste (“casou bem”) com o cano utilizado e terá resultado em uma velocidade máxima.

Um bom guia para determinar se um projétil tem bom ajuste, é experimentá-lo inserindo-o pela boca do cano da arma em questão, se ele entra sem força excessiva e pode ser facilmente removido, deixando apenas uma ligeira impressão de linhas na cabeça, então tem uma boa chance de ser o projétil de tamanho adequado para esse cano. Se, por outro lado, entra excessivamente apertado ou frouxo, tente projétil de outro fabricante. Ao mesmo tempo, deve-se observar se a saia do projétil possui diâmetro suficiente para sobrepor a culatra corretamente.

Um ponto a ter em mente ao realizar o teste acima é que algumas carabinas de fabricantes renomados, são equipadas com o que chamamos de "cano estrangulado” (“pinched barrel”). Nesta configuração, o diâmetro do cano é constrito em sua última polegada (25,4mm) ou menos (“choked”), este estrangulamento surpreendente reduz o diâmetro em cerca de 4/1000 de uma polegada (0,1016mm). Fomos informados de que, embora isto reduza a velocidade do projétil, isto aumenta a precisão da arma. Uma vez que a precisão está fora do escopo do presente trabalho, não houve tentativas para comprovar a veracidade desta afirmação.

A maioria do nosso trabalho no presente capítulo foi feito usando cano liso. Esta simplificação foi adotada para facilitar o acoplamento das várias seções de cano e, é claro, por facilidade de fabricação. Mas, obviamente, a comparação com alguns resultados com o uso de um cano raiado era necessária uma vez que é necessário energia para girar o projétil e esta energia despendida poderia influenciar na velocidade inicial.

Ficamos surpresos ao descobrir que tão pouca energia é necessária para girar o projétil tipo diabolo e que era impossível detectar a perda de velocidade quando se utiliza um cano estriado. Um ponto que talvez, vale a pena mencionar neste capítulo é que os canos são estriados, a fim de aumentar a precisão por ação giroscópica que o projétil adquire ao passar pelas estrias do cano raiado. Percebemos, no entanto, que todos os projéteis disparados de cano de alma lisa “pousaram” corretamente, com a cabeça em primeiro lugar, e exatamente na mesma posição que os disparados através de canos raiados! O que nos faz perguntar se as estrias são realmente necessárias quando se utiliza projéteis tipo diabolo que parecem ter características de serem auto estabilizadores. Um assunto para pesquisa e investigações futuras ...

No entanto, como um pensamento final, ainda sobre o assunto canos, é interessante considerar por um momento uma arma que é formada por um único cano e algo mais, a zarabatana. As incríveis façanhas de alcance e precisão a elas creditadas são ainda mais surpreendentes quando se percebe o quanto é difícil produzir uma libra por polegada quadrada de pressão (1 psi – 0,069 bar) quando se sopra o tubo. Há relatos de membros de uma tribo que são capazes de abater pequenos pássaros e animais a distâncias consideráveis sem fazer uso de dardos envenenados. O segredo é que a zarabatana baseia-se no seu comprimento e o tamanho dos pulmões do caçador para produzir a velocidade útil. Considerando que o rifle de ar operado por mola emprega um projétil de encaixe bem ajustado para produzir um pequeno volume de ar altamente comprimido atrás de si, o dardo da zarabatana tem um ajuste muito solto no furo para permitir que os pulmões do caçador mantenham uma aceleração constante ao longo do tubo. Em outras palavras, a zarabatana se baseia em um grande volume de ar a baixa pressão constante, em vez de um pequeno volume a pressão elevada.

Sem dúvida, o comprimento do tubo (zarabatana) é desenvolvido para o máximo de acordo com o tamanho dos pulmões do caçador, enquanto que, ao mesmo tempo mantendo um volume pequeno, reduzindo-se o calibre para o menor tamanho prático que pode ser feito. O peso dos dardos também é desenvolvido por tentativa e erro, mas o sucesso da combinação final é mundialmente famoso.


Capítulo 7 - O Recuo

Este capítulo tem muito pouco a ver com os anteriores, de fato, nós nos perguntamos se valeria a pena, escrever. Mas, uma vez que tivemos o trabalho de investigar o recuo de um rifle de ar, alguns leitores podem achar que os resultados sejam de seu interesse.

Tem sido dito muitas vezes que uma das principais vantagens de qualquer arma de ar é que ela não tem recuo. Tal afirmação obviamente não é verdadeira, cada arma de ar tem uma certa quantidade, mas na maioria dos casos é tão pequena a ponto de ser insignificante. No livro do Sr. Wesley (Wesley L. “Airgun and Air Pistols), ele conta a história de uma divertida aventura com um rifle de ar de grande calibre, o recuo foi grande o suficiente para quase derrubá-lo. Nas espingardas atuais de pequeno calibre, operadas por mola, o peso do projétil é tão pequeno que o recuo pode não ser sentido quando a arma é disparada. Na realidade, a pequena quantidade de recuo que existe é geralmente completamente mascarada pelo empurrão do êmbolo que o acelera no cilindro para frente e depois quica (”bounces”) para trás sobre a almofada de ar.

Outro ponto sobre o recuo, sobre o qual muitas vezes há confusão, é o momento em que ele realmente ocorre. Costuma-se dizer que a arma não se move até que o projétil saia pelo cano. Mais uma vez, esta afirmação não é verdadeira. O movimento de recuo começa no momento em que o projétil começa seu movimento dentro do cano. A fim de tornar este conceito o mais caro possível, imagine uma arma que tem sido construída com o material mais leve disponível, carregada com um projétil que é feita a partir do material mais pesado possível. É perfeitamente óbvio que, no instante do disparo, a arma vai tentar se mover para trás em relação ao projétil e que o recuo terá começado naquele ponto. Ele não vai esperar até que o projétil saia do cano, a despeito de uma série de argumentos em contrário.

Em um rifle esportivo que utiliza um cartucho de alta pressão, existe um efeito foguete causado pela energia emitida pelos gases proveniente da queima à medida que emergem da boca do cano. Isso contribui para o “coice” de tal arma, mas não tem relevância no mundo das armas de ar.

Há terceira causa de recuo, o que novamente pode ser ignorado no que se refere às armas de ar. Quando o projétil é acelerado dentro do cano, determinada quantidade de ar é deslocada à sua frente, este ar tem uma massa definida e deve, portanto, causar recuo.

Então, vamos agora para um pouco de teoria sobre o assunto, porque ocorre o recuo a todo custo? Tudo decorre da Terceira Lei de Newton, (Ação e Reação), que afirma: "Para cada ação há uma reação igual e oposta". Já estabelecemos que existem três fatores envolvidos. O primeiro é a aceleração do projétil a partir do seu estado de repouso para a velocidade máxima atingida à medida que sai do cano da arma. A segunda é a expansão do ar na boca do cano imediatamente após a saída do projétil. Isto pode ser claramente visto na Figura 9.8. A terceira é a aceleração do ar no interior do cano, atrás do projétil, a velocidade que deve ser considerada como sendo cerca de metade da velocidade do projétil na boca do cano. Mas, novamente, o recuo resultante desta pequena quantidade de ar não tem efeito mensurável sobre as armas em discussão.

Vamos agora considerar o primeiro desses três elementos em maiores detalhes, que é a reação à aceleração na frente do projétil. Pela terceira lei de Newton, a pressão que empurra o projétil para frente, dentro do cano, é a mesma pressão que empurra a arma para trás, causando o recuo, e pode atuar apenas durante o tempo em que o projétil permanece no cano. Agora pelo princípio da conservação da Quantidade de Movimento (Momento Linear), a quantidade de movimento do projétil é igual a sua velocidade multiplicada por sua massa, que por sua vez é igual a velocidade de recuo da arma multiplicado por sua massa (quantidade de movimento da arma).

Se considerarmos:

M = massa da arma
m = massa do projétil
V = velocidade da arma
v = velocidade do projétil

Pela lei da conservação da quantidade de movimento:

v . m = M • V;

Sendo massa = (peso / aceleração da gravidade) = W / g

Então temos:

(w.v) / g = (W.V) / g onde W = peso da arma e w = peso do projétil

Sendo o valor de g igual e constante para ambos arma e projétil, temos:

w.v = W.V Equação (1)

Então:

V = (w.v) / W

Podemos agora calcular a velocidade do recuo, e portanto a energia transmitida à arma pela reação à aceleração do projétil.

Peso da arma (W) = 6.625 lbf = 29,5N = 3,0 kgf
Peso do projétil 0,22 (w) = 0,00214 lbf = 0,0095N = 0,00097 kgf = 0,97 gf
Velocidade do projétil (v) = 430 fps = 131,0 m / s

Substituindo-se os valores:

V = (0,00214 x 430) / 6,625 = 0,1389 fps

A partir da equação de energia cinética:

Ec = (W.V.V) / 2g


Em que W é o peso e V é a velocidade de recuo da arma.

Ec = [6,625 x (0,1389 x 0,1389)] / (2 x 32,16)

Ec = 0,001987 ft.lbf

Em unidades métricas:

V=0,04234 m/s

Ec= 0,00269Joules

Esta é, obviamente, uma quantidade de energia muito pequena e insignificante, quando comparado com a energia total armazenada na mola, ou quando comparada com a energia cinética do projétil. Por conseguinte, esta pode ser omitida da maioria dos cálculos de armas de ar, uma vez que variáveis, tais como a forma do projétil, terá mais efeito mais significativo.

Sendo pessoas de cunho prático, não poderíamos definir toda a investigação do recuo dependendo de uma solução puramente matemática, então montamos a arma para nos dar alguns resultados práticos. Suspendemos a arma por dois conjuntos de cabos de tal forma que no momento do tiro, o cano permanecesse em nível e assim também durante a oscilação provocada pelo recuo. Nós então fixamos um ponteiro ao lado da arma e colocou-se uma escala em uma posição fixa ao lado. A partir de então, era uma simples questão de fotografar a escala e o ponteiro no momento do disparo para determinar a quantidade exata de recuo. Nós disparamos a arma por meio de um solenóide montado sobre a extremidade, o solenóide foi posicionado de modo que os seus movimentos não causassem nenhum efeito sobre as leituras de recuo.

Após o disparo, a arma oscilou para trás e para frente como um pêndulo, uma vez que o comprimento dos cabos de suporte são conhecidos, a quantidade de oscilação pode ser calculada através da aplicação de matemática de modo a mostrar o quanto de energia foi gasta em recuo . É evidente a partir da equação (1) que um disparo de calibre .177 (4,5mm) produzirá menos oscilação, e, por conseguinte, de recuo, em comparação com um projétil de calibre .22 (5,5mm) que é mais pesado. A partir de nossas experiências, descobrimos que um projétil .22 (5,5mm) pesando 15 grains (0,972g) produziu um balanço de 0,4 polegadas (10,16mm) em nosso rifle pesando 6,625 lbf (3,0 kgf) quando foi suspenso por cordas de 22 polegadas (55,9cm) de comprimento.

No diagrama abaixo, o movimento horizontal para trás máxima é de 0,4 polegadas (10,16mm), assim, AD = 0,4” e BA e BC correspondem aos comprimentos dos cabos de sustentação, neste caso, de 22 polegadas 558,8cmm).

Imagem

Assim, a distância BC = (y + x) = 22 polegadas.

Uma vez que o triângulo ABD é um triângulo retângulo, aplicando-se o Teorema de Pitágoras:

BA.BA = BD.BD + AD.AD

22 x 22 = BD.BD + (0,4 x 0,4)

Entretanto BD = x = BC - y = 22 – y, logo

22 x 22 = (22 – y)(22 - y) + (0,4 x 0,4)

y.y - 44y + 0,16 = 0

Resolvendo-se esta equação do 2º grau, temos

Imagem

Imagem

y = 0,0036367 pol

y = 0,0003 ft

Como y é a altura máxima a que foi levantado o rifle, a energia potencial que tinha neste altura era igual ao seu peso multiplicado por esta altura.

Ep = W.h

Onde W = peso da arma e h = y

Ep = 6,625 x 0,0003

Ep = 0,002 ft.lbf

Convertendo-se a energia potencial para a unidade do sistema métrico:

Ep = 0,0027 Joules

Assim, esta é a quantidade total de energia usada para empurrar o rifle para trás, obtido a partir desta experiência. Ela é tão pequena que pode ser desprezada quando se considera as perdas de energia como um todo. No entanto, é interessante notar que este valor é ligeiramente maior do que o valor calculado anteriormente, utilizando-se o cálculo matemático devido a reação à aceleração na frente do projétil. A diferença entre os dois valores é provavelmente produzida pelo "efeito foguete" da expansão do ar após o projétil ter deixado o cano. Este recuo de valor de energia muito pequeno causado por este efeito, obviamente só pode ser determinado experimentalmente, e não pode ser detectado pelo atirador.

Decidimos então, tentar isolar o "efeito foguete" também através de um experimento prático. Fizemos um “freio de boca” para ser montado sobre a boca do cano. Este dispositivo usado pelos militares para reduzir o recuo de seus rifles, inverte o fluxo de gases que é expelido pela boca do cano. Na nossa versão, o freio é uma extensão de cano, aumentando o seu comprimento original de cerca de duas polegadas (50,8mm), três pequenos orifícios foram perfurados a um ângulo de 30º e posicionados de forma que o fluxo de ar que sai foi desviado para trás. A expansão do ar, evidentemente ocorre durante o instante em que o projétil já está a cerca de duas polegadas da boca do cano. No entanto, os resultados foram desapontadores, e, provavelmente, com razão, em vista da pressão relativamente baixa e volume de ar disponível na boca do cano de um rifle de ar. Nós esperávamos seríamos capazes de detectar uma diferença na oscilação do rifle suspenso nas duas condições, com e se, o freio de boca montado. Mas os valores das leituras eram muito próximos um do outro, para faz qualquer diferença perceptível. Assim é a vida de um pesquisador.

O assim denominado recuo em rifles de ar, na verdade, é causado pela ação e reação do pistão, e foi propositadamente ignorado até este ponto. Isto é porque o recuo causado pelas partes móveis da arma não é um recuo no sentido da aceitação da palavra. Este é, de fato, o movimento da arma para trás, seguido imediatamente por um movimento para frente. O movimento para trás é iniciado no instante da liberação do êmbolo, porque medida que a mola força o êmbolo para frente, também deve necessariamente forçar o resto da arma para trás. Agora, no nosso caso em particular, o êmbolo levou cerca de dezessete milissegundos para percorrer o todo o percurso na câmara de compressão do cilindro. Assim, em algum momento antes de ele chegar à parte da frente do cilindro, é sido violentamente retardado por uma almofada de ar, esta desaceleração do pistão é transmitida ao resto da arma, sob a forma de um movimento brusco para a frente que, que chega com tanta rapidez, logo após o movimento para trás anterior, produzindo o “tranco” típico das armas de ar comprimido por ação de mola.

Como já foi mencionado no Capítulo 3 - O Pistão, sabemos que a magnitude do “tranco” aumenta quando o peso do pistão é aumentado.

Este empurrão para frente é particularmente visível quando uma mira telescópica (luneta) é montada no cilindro de uma espingarda de ar. Depois de alguns tiros você verá que a luneta se moveu para trás (opondo-se em direção contrária ao movimento da arma). Portanto, deve-se tomar cuidado para assegurar que a luneta esteja firmemente presa pelo seu suporte.


Capítulo 8 - O Lubrificante

É extremamente importante lubrificar corretamente as partes móveis de uma arma de ar. No entanto, é igualmente importante lubrificá-la adequadamente, sem exageros. Um rifle de ar deve ser tratado como um instrumento, tal qual um relógio. Se este estiver com lubrificação insuficiente, todas as partes móveis friccionam causando um desgaste desnecessário que, finalmente, resulta em dano total. Por outro lado, se for demasiado lubrificado, poeira e sujidades se acumulam no óleo e atuam como um abrasivo, reduzindo a vida do mecanismo. Além disso, o óleo carregado de sujeira torna-se mais viscoso e retarda o movimento do mecanismo.

Vale a pena considerar por um momento a razão pela qual é necessário lubrificar qualquer máquina. Quando as superfícies deslizam uma sobre a outra, sem que haja qualquer forma de lubrificação entre elas, diz-se que a máquina trabalha “a seco”. A resistência ao deslizamento sob estas condições é proporcional à força de pressão das duas superfícies que estão em contato. Além disso, o material que é utilizado na superfície de contato influencia a resistência ao deslizamento ou atrito. Este atrito é causada por dois fatores; soldadura temporária das “cristas” em contato de ambas as superfícies, a interferência entre as saliências de uma superfície com as ranhuras da outra..

Quando as superfícies são lubrificadas. Uma gama de condições é introduzida, e o atrito entre eles é muito reduzido, uma vez que se torna dependente das propriedades do lubrificante ao invés do material das superfícies. A propriedade do óleo lubrificante que influencia a resistência ao movimento de uma superfície sobre outra é principalmente a sua viscosidade, é este fator que determina a facilidade com a qual as camadas das lâminas de lubrificante sobre os seus vizinhos.

Um bom lubrificante deve manter a sua viscosidade e as características gerais por um longo período de tempo. No entanto, sob a influência do ar, a maior parte dos óleos tendem a oxidar e deteriorar-se.

Este problema deve ser completamente entendido por entusiastas de armas de ar, pois a maioria dos pontos de lubrificação em armas de ar está em contato com a atmosfera. O óleo deve, portanto, ser capaz de manter a sua condição original durante longos períodos enquanto em contacto com o vento e as intempéries. Uma massa lubrificante pode ser descrita como o óleo em um agente espessante, da mesma maneira como uma esponja armazena água. A consistência da massa depende do tipo de agente espessante utilizado, mas, novamente, como o óleo, a sua viscosidade depende da temperatura. Além disso, as graxas oxidam se submetidas a temperaturas elevadas ou no caso de exposição prolongada à atmosfera.

A arma de ar deve ser lubrificada em qualquer ponto onde haja movimento das partes mecânicas, tais como o mecanismo de gatilho e as articulações da alavanca de armar.

Existem muitas marcas de lubrificantes no mercado, vendidos principalmente para o uso em armas. Estes óleos normalmente contêm aditivos para combater a umidade e ferrugem e são ideais para uso sobre os pinos e as ligações de armas de ar. Mas o lubrificante para o pistão deve ser escolhido com grande cuidado, uma vez que vai ser submetido a condições extremas de pressão e temperatura.

A maioria dos óleos minerais, ou mesmo uma graxa, certamente vai se inflamar dentro do cilindro quando ocorrer o aumento de pressão e da temperatura. Tal ignição irá produzir um tiro de velocidade excepcionalmente alta, este fenômeno, em uma arma de ar é comumente chamado de efeito diesel (“dieseling”).

Os transientes de pressão de um tiro diesel podem ser visto claramente nas Figuras 8.1 a 8.3. É interessante comparar estes traços com o que foi mostrado na Figura 4.1, que é a onda de pressão produzida pelo ar sem qualquer efeito diesel presente.

As Figuras 8.1 e 8.2 mostram os traços registrados no osciloscópio, quando ocorre um efeito diesel violento. Quando ocorrem explosões desta magnitude, o projétil sai do cano a uma velocidade fantástica, aproximando-se em algumas ocasiões, à velocidade do som.

Imagem
Figura 8.1 Efeito Diesel violento (a)

Imagem
Figura 8.2 Efeito Diesel violento (b)

A Figura 8.3, no entanto, mostra um efeito diesel que em geral ocorre em quase todas as situações em que uma arma de ar é lubrificada com óleo mineral. Este tipo de efeito diesel de menor magnitude é difícil de detectar, sem o uso de algum tipo de dispositivo de medição de velocidade, a sua ocorrência se torna conhecida apenas por um aumento na velocidade em relação aos tiros normais

Imagem
Figura 8.3 Efeito Diesel típico.

Uma vez que os transientes de pressão causados pelo efeito diesel ocorrem no lado descendente das ondas de pressão, (Nota: o efeito diesel ocorre após o pico de pressão alcançado apenas no ar, comparar Figuras 8.1 e 8.2 com a Figura 4.1, e isso mostra que a picos devido ao efeito diesel ocorrem após o primeiro pico da curva, isto é, eles estão todos na parte descendente da curva) a explicação para um tiro diesel pode ser a seguinte: Quando o pistão vem para frente, a pressão e a temperatura, ambos aumentam para um valor muito elevado, mas, quando o pistão quica (“bounces”), eles são drasticamente reduzidos e qualquer óleo deslocado pelo pistão é imediatamente vaporizado pela expansão súbita. Agora, a temperatura no seu máximo é alta o suficiente para causar o surgimento de pequenas partículas incandescentes de sujeira ou de minúsculos pedaços da bucha do êmbolo. São estes grãos incandescentes ou combustão espontânea do lubrificante, que fazem com que o óleo vaporizado seja ignitado, produzindo o aumento da pressão enquanto o traçado registrado já está no seu lado descendente. Essa queima provoca um aumento na pressão por trás do projétil, resultando em uma velocidade mais elevada do que o normal. Os picos subsequentes sobre o traço são evidências de ondas de choque refletidas dentro do cilindro.

Embora o efeito diesel resulte em um aumento da velocidade, e à primeira vista pode parecer ser uma vantagem, na realidade, é um aumento incontrolável e, portanto, prejudicial a precisão do tiro. Mesmo se fosse possível controlar o efeito diesel, e, assim, produzir um aumento uniforme de velocidade, seria um ganho insignificante pois a arma deixaria de ser uma arma de ar e se tornaria uma arma de fogo.
Além disso, em um rifle com efeito diesel, o óleo que foi queimado no interior do cilindro forma um resíduo gomoso capaz de reduzir a velocidade do pistão. As partículas de fuligem resultantes promoveriam ainda mais o efeito diesel.

Queríamos ver o que realmente acontece dentro do cilindro no momento em que ocorre o efeito diesel, por isso nós removemos o transdutor de pressão e substituindo-o por uma tampa de acrílico. O disparo do rifle excessivamente lubrificado foi realizado em uma sala escura; ficamos muito satisfeitos ao ver toda a tampa iluminado por um clarão branco brilhante, indicando que um efeito diesel ocorreu. O som da arma e a leitura do cronógrafo confirmaram essa observação.

Os lubrificantes a base de bissulfeto de molibdênio (MoS2) são amplamente utilizados para praticamente qualquer aplicação que se pode pensar. No entanto, quando aplicado ao pistão e cilindro de uma arma de ar, é necessário um grande cuidado na escolha de um lubrificante, o MoS2 deve estar suspenso num óleo cujo ponto de inflamabilidade deve ser suficientemente elevado para evitar a ocorrência do efeito diesel. O "Moly" que você compra para uso no carro não é adequado para este uso. Estes lubrificantes apresentam teores corretos de MOS2, mas deve-se utilizar os produtos específicos para armas de ar comprimido. Uma coisa que todos os lubrificantes MoS2 têm em comum é que eles não são adequados ao manuseio (sujam as mãos) e são, portanto, só é adequados para superfícies internas que não terão contato manual durante o uso normal da arma.

O óleo de silicone, por outro lado é muito limpo e tem excelentes propriedades anti-diesel, ponto de inflamabilidade elevado, é um lubrificante ideal para ser usado em buchas de couro, mas esta é a sua única finalidade. Ele não é um lubrificante para uso em superfícies de contato metal / metal, portanto, não é adequado para uso nas partes móveis do pistão ou mola.

Uma mistura de óleo de bissulfeto de molibdênio e de silicone seria um bom compromisso, mas é difícil de manter o pó de molibdênio em suspensão no óleo, uma vez que tende a separar-se. É sempre o problema do manuseamento desta substância negra.

Voltando ao início deste capítulo, fica claro que a lubrificação de alguma forma ou de outra é de fundamental importância. Ao longo dos anos nós nos encontramos com muitos entusiastas que têm suas próprias idéias sobre o melhor lubrificante ou "mistura" de lubrificantes para atender um rifle de ar. A escolha final parece ser uma questão de escolha pessoal, apoiada pela experiência, uma vez que cada tipo de lubrificante comum tem suas próprias vantagens e desvantagens específicas.

Destes vários lubrificantes, poucos são adequados para utilização no cilindro de uma arma de ar. Durante o nosso programa de experimentos com os óleos, chegamos a perceber que existem lubrificantes sintéticos sofisticados, não prontamente disponíveis, que atendam as exigências do entusiasta de armas de ar. Estes lubrificantes sintéticos, fabricados a partir de óleos sintéticos, em geral têm uma gama muito maior de aplicação. E quando se trata de alta pressão e temperatura, alguns deles produzem melhores resultados do que os óleos minerais.

Trabalhando em conjunto com uma grande empresa petrolífera, conseguimos encontrar um excelente lubrificante sintético que é produzido na forma de um gel. Este tem propriedades muito boas de lubrificação e também um ponto de inflamabilidade muito elevado. Graças às suas propriedades peculiares, o gel forma uma camada sobre as superfícies de trabalho produzindo uma boa lubrificação e durabilidade excepcional que adere perfeitamente a superfície onde é aplicado. Por ter um ponto de inflamabilidade elevado, o efeito diesel é quase inexistente e, qualquer gel excedente que é recolhido pela bucha executa uma função muito útil lubrificando o projétil à medida que passa pelo TP. Este gel não deve, no entanto, ser utilizado em conjunto com um óleo mineral normal, porque isso irá prejudicar as suas propriedades. Isso não deve ser um problema, uma vez que preenche todos os requisitos de um lubrificante para armas de ar comprimido, incluindo propriedades de lubrificante metal sobre metal e anti-ferrugem.

Devido a limitação de número máximo de caracteres, a tradução será divida em 3 tópicos distintos.

Continuação no Tópico The Airgun Fron Trigger to Muzzle - Tradução Parte I

viewtopic.php?f=4&t=16124

Continuação no Tópico The Airgun Fron Trigger to Muzzle - Tradução Parte III

viewtopic.php?f=4&t=16281
Editado pela última vez por Mandarim em 03/01/2015 - 16:47:54, no total de 8 vez
Alberto José
Mandarim
AA Nivel 3
 
Mensagens: 507
Data de registro: 05/12/2012 - 21:07:31
Localização: Macaé - RJ
Agradeceu: 122 vezes
Foi agradecido: 256 vezes

Re: The Airgun from Trigger to Muzzle - Tradução Parte II

Mensagempor Mandarim » 29/06/2014 - 12:27:39

Tópico concluído com tradução do seguinte conteúdo:

Parte II

Capítulo 5 - A Porta de Transferência (“Transfer Port”)

Capítulo 6 - O cano

Capítulo 7 - O Recuo

Capítulo 8 - O Lubrificante
Alberto José
Mandarim
AA Nivel 3
 
Mensagens: 507
Data de registro: 05/12/2012 - 21:07:31
Localização: Macaé - RJ
Agradeceu: 122 vezes
Foi agradecido: 256 vezes



  • ANÚNCIOS

Retornar para Armas de Mola

You must be a Registered User to Chat in the Shoutbox
#HUNTERN. Caçada de pomba avoante: https://www.youtube.com/playlist?list=P ... cfVDELoxyQ
fiim
07/07/2019 - 22:40:42
Boa noite. Para aqueles que estão com problema para postar fotos no fórum, esse site para hospedar as fotos me pareceu excelente. Segue o link. https://vgy.me/
zefabricio
23/06/2019 - 21:30:27
Ai galera mais uma caçadinha de final de semana deixem la o like se gostarem https://youtu.be/3kJ9UpiBt7o
fiim
06/06/2019 - 14:13:12
Vendo Pistola WE Mini CT 25 gbb 6mm peça rara, única à venda no Brasil cabe na palma da mão Link "Armas de gás"
João Estevam
04/06/2019 - 15:03:37
Boa noite, gostaria de saber se alguém tem pra vender Mount Utg tubo de 30mm perfil baixo?
Euzimar Oliveira
28/05/2019 - 22:06:03
Boa Noite pessoal preciso do guardamato da at44 pode ser original ou fabricado artesalnamente meu whats é 16 99296-5623 obrigado
ederred
27/05/2019 - 19:35:32
Pistola Tokyo Marui gbb 6mm ver Link Compra e venda e Armas de Gás
João Estevam
26/05/2019 - 22:28:20
fiim
23/05/2019 - 09:27:16
gostaria de informar que estamos fazendo manutenção em carabinas de ar aqui no rio de janeiro, posso ser encontrado nos telefones 39880311 ou 970054854 jose luiz
LEAOJOSE
16/05/2019 - 13:58:57
Ola, existe alguma outra forma de eniar imagem para o site que nao seja pelo imageshack ?
jrps2007
16/05/2019 - 00:03:58
Moro em São Paulo - SP, Alguém conhece locais para treino ? tenho uma Rossi 4,5mm
everaldo153
14/05/2019 - 13:56:05
Boa noite, onde consigo silenciador da s200? Grato
thiagonunes88
10/05/2019 - 19:56:11
cilindro e regulador da s200, onde consigo? boa tarde
thiagonunes88
10/05/2019 - 16:37:23
O CANO 6.35MM QUAL MENOR PREÇO? COMO FAÇO PRA COMPRAR?
topoeng
07/05/2019 - 17:00:12
São paulo
unicos_ig
03/05/2019 - 05:47:06
Bom Dia Caros Amigos do Site! Mais uma vez trazendo uma Case Exclusiva importada direto dos EUA: viewtopic.php?f=3&t=26211
Davi_Ogata
29/04/2019 - 09:33:50
Boa noite, hw 97 só 3000 reais, viewtopic.php?f=3&t=26191
thiagonunes88
24/04/2019 - 18:32:00
meu zap 19 991551087
NGO
22/04/2019 - 09:19:50
bom dia senhores,região de campinas,alguma carabina mola em 5,5 a venda(abaixo de 1500,00),preferencia que suporte bem luneta(sem muita força)
NGO
22/04/2019 - 09:19:40
Daisy
hidden
18/04/2019 - 00:29:03
Daisy
hidden
18/04/2019 - 00:28:33
Continua a venda a Tokyo Marui Detonics 45 gbb airsoft 6mm ver no link Compra e Venda e Equipamentos e Acessórios
João Estevam
16/04/2019 - 10:00:11
Aí galera, se alguém tiver interessado em aumentar a potência da Pistola Beeman P17 segue o link, https://www.youtube.com/watch?v=xWpeBSz0xvc .. só compartilhando com os colegas do tiro! Valeu!
caricadmm
09/04/2019 - 02:33:50
gostaria de informar que estamos fazendo manutenção em carabinas de ar aqui no rio de janeiro, posso ser encontrado nos telefones 39880311 ou 970054854 jose luiz
jose luiz
24/03/2019 - 13:32:23
COMO FAÇO PRA ANUNCIAR AQUI ?
fabiano pires
20/03/2019 - 09:31:15
Boa noite! Estou buscando mais informações sobre o equipamento scatt de treinamento laser alguém saberia me passar algum Review algo do tipo
Raphael
17/03/2019 - 18:36:51
Quem tem uma Cometa 50 ? Criança chorando ! Compro .
mazinhowaldemar
24/02/2019 - 09:31:15
Qual a especificação da luneta?
ERIVALDO
18/09/2018 - 22:31:31
A saxon vem com o adaptador de recarga, o certificado e a faca que vem junto de fabrica?
ERIVALDO
18/09/2018 - 22:31:11
me manda mensagem no pv
maskote
13/09/2018 - 15:04:04
eu tenho fabiano pires
maskote
13/09/2018 - 15:03:52
Alguem vendendo luneta de visão noturna?
fabiano pires
11/09/2018 - 08:03:56
Cricket a venda ainda amigo
LucasCJ
08/09/2018 - 09:59:34
Crickey a venda ainda amigo
LucasCJ
08/09/2018 - 09:58:51
Boa noite Já vendeu a cricket amigo ?
clayrton
07/09/2018 - 20:33:31
  Online List:


Quem está online

Usuários vendo este fórum:: Nenhum usuário registrado online

cron